O que é notícia?

Notícia é um texto jornalístico a respeito de fatos, acontecimentos atuais e de interesse público que podem ser comprovados, por exemplo, por meio de dados de pesquisas e informações de mercado.

Por exemplo: fatos sociais, econômicos, políticos, culturais e naturais podem ser notícia desde que sejam de interesse público.

Nós, do DINO, preparamos este passo a passo completo para que o seu conteúdo se torne uma notícia com o potencial de informar, de forma rápida e simples, fatos relevantes para o público de nossos sites parceiros.

Características de uma notícia ideal do DINO

Os textos têm maior alcance quando atendem aos seguintes requisitos:

• Texto informativo, sem emissão de opinião, que possua uma notícia (fato de interesse público);

• Escrito na 3a pessoa e de forma imparcial;

• De 5 a 8 parágrafos;

• Apresentam dados de mercado, resultados de pesquisa e outras informações que complementam a notícia produzida;

• Referência a todas as fontes citadas no texto, sem realizar denúncias, difamações, especulações ou mencionar terceiros sem autorização;

• Imagens que condizem com a pauta.

Os textos devem evitar:

• Nomes de empresas nos títulos para evitar caráter de release e teor publicitário;

• Texto não deve ser institucional, falar somente da empresa sem trazer fatos de interesse público;

● As imagens não devem apresentar logo de empresa ou retratos de pessoas fora do contexto;

• Não assinar o texto;

• Não colocar saudações como: até logo, abraços etc.

EXEMPLO DE UMA NOTÍCIA NO PORTAL TERRA:

Passando a notícia a limpo:

Vamos estudar a notícia “Startups com marcas registradas atraem mais investimentos”, publicada em sites parceiros do DINO, como o Terra, no dia 22 de novembro de 2017.

Essa notícia atende aos requisitos citados anteriormente, em “Características de uma notícia TERRA.com”.

1 - TÍTULO

“Startups com marcas registradas atraem mais investimentos”

Note que o redator escreve na terceira pessoa do singular, o que atende ao padrão jornalístico exigido pelo TERRA. Conforme o esperado, com o termo genérico “startups”, o redator omitiu os nomes das empresas citadas.

Para evitar o caráter de release e ressaltar o de notícia, esta é uma estratégia a ser seguida, uma vez que nomes de empresas, produtos, ou terceiros devem ser deixados de fora de títulos jornalísticos.

2 - RESUMO/INTRODUÇÃO JORNALÍSTICA

A notícia está estruturada em sete parágrafos. O primeiro é chamado de "resumo/introdução jornalística". Este parágrafo, precisa responder algumas questões logo na abertura da notícia: Quem? O quê? Quando? Onde? Como? Por quê?

Na notícia analisada a ordem de apresentação das questões não é essa: a ordem pode ser alterada de acordo com o que se deseja enfatizar. Por outro lado, a estrutura técnica pede para que tais questões sejam respondidas de modo objetivo.

RESUMO/INTRODUÇÃO JORNALÍSTICA

(Fonte) De acordo com pesquisa recente da 100 Open Startups

(O quê?) a quantidade de contratos firmados entre grandes empresas e startups aumentou 194%

(Quando?) entre os meses de julho de 2016 e julho de 2017

(Como/Por quê?) comparado com o mesmo período entre 2015 e 2016. Nesse período, foram confirmados 135 relacionamentos de negócios entre corporações e empresas iniciantes na área de tecnologia – no período anterior, foram 46.

Este é um dos recursos jornalísticos mais utilizados quando se trata de iniciar uma notícia e apresentar objetivamente os fatos mais relevantes. Além de facilitar a leitura, também agiliza o processo de escrita, conseguindo informar sem perder muito tempo.

3 – DESENVOLVIMENTO

Características gerais

A narrativa do texto deve ser feita em terceira pessoa, ou seja, o redator se “afasta” do fato e relata o que pôde observar, não se colocando como narrador participante. Por quê? Porque, como dito anteriormente, seu papel é informar o leitor por meio de relatos, sem expressar sua opinião a respeito – isso se tratando de notícias publicadas pelo DINO.

Observe que o primeiro parágrafo se inicia com “De acordo com pesquisa recente da 100 Open Startups”, e prossegue com “De acordo com a ONG”, “De acordo com o especialista em inovação e aceleração de startups” e “Segundo Roberto Soraire, idealizador da 123Marcas”.

Linguagem

Na notícia analisada, observamos que o redator escolheu utilizar uma linguagem coloquial com o fim de facilitar o entendimento para o maior número de pessoas possível. É assim que deve ser.

Isso não significa que as normas gramaticais possam ser desrespeitadas. Trata-se de usar vocabulário popular, cotidiano e inteligível, evitando – ou adaptando – termos técnicos demais; assim sendo, dependendo da atividade da sua empresa ou da natureza do seu produto, será necessário encontrar o vocabulário adequado para escrever a notícia.

Imparcialidade

O redator deve “traduzir” o fato de modo objetivo e o mais imparcial possível. Evidentemente, é impossível alcançar 100% de isenção no texto, afinal, a própria construção do texto e o que será destacado depende, sim, das escolhas de quem escreve. Mas o alerta é pontual: opinião é o leitor que forma a partir do que você, jornalista, informa.

Assim sendo, não são aceitáveis adjetivações ou frases com juízo de valor, do tipo “a empresa X é a melhor”, ou “o produto da empresa X é o melhor”. Frases desse tipo não são compatíveis com o padrão jornalístico, e além de não serem aceitas em veículos do Plano Profissional, demonstram por si só ao leitor que ele não está diante de uma notícia imparcial, mas de um conteúdo institucional com fins publicitários. Você não vai querer perder a credibilidade da sua notícia, não é?

Dados de pesquisa e/ou informações de mercado

Dados de pesquisa são fundamentais para embasar o que está sendo apontado e dar credibilidade à notícia. Seja no segundo ou terceiro parágrafo, estes elementos devem ter conexão com o tema abordado e, obviamente, os devidos créditos. Há muitas pesquisas divulgadas na web, então, basta procurar bem e alimentar ainda mais a notícia com informações relevantes.

Na notícia em estudo, são utilizados diversos dados de pesquisa. Isto é importante para fundamentar o seu texto e dar credibilidade à notícia. Um conteúdo sem dados e referências corre o risco de ser taxado como um texto institucional ou publicitário, ou seja, fora do padrão esperado pelos sites parceiros do DINO. Além disso, o leitor sabe reconhecer quando o texto se trata de uma notícia, e tende a ter mais confiança nesse conteúdo do que em um texto explicitamente institucional/publicitário.

“Além do aumento no número de contratos, há outras razões para animar os empreendedores.” – Em um primeiro momento, essa frase pode parecer opinativa, mas ela está respaldada por um dado que vem a seguir:

“Em 2010, os investimentos em startups chegaram a R$ 450 milhões; em 2017, já foram investidos mais de R$ 851 milhões. O valor desembolsado por cada investidor-anjo também aumentou para R$ 120 mil por cada ideia inovadora, segundo a ONG Anjos do Brasil.”

Essa estratégia irá se repetir em outro trecho, adiante: “No Brasil, a proteção de propriedade intelectual ainda é muito baixa se comparada a mercados desenvolvidos” (afirmação). Em 2012, o Brasil estava na 23o posição do ranking dos países que obtêm receita decorrente da proteção intelectual, de acordo com dados obtidos no Banco Mundial.” (Fonte).

Citações

De acordo com Júlio Klein, consultor de negócios da Paulo Afonso Pereira Propriedade Intelectual, o valor da marca deve ser mensurado. “Quando nossos clientes adquirem empresas ou produtos, a marca é essencial para a negociação,” conta Klein.

O trecho em destaque é de uma das citações presentes da notícia que estamos analisando. Ferramenta muito útil para registrar a opinião de fontes e especialistas, este pode ser o espaço ideal para dar voz a uma fonte da sua empresa/produto.

Tempo verbal do texto

De preferência, o tempo verbal deve ser, sempre, presente. Isso faz com que o relato se mostre mais preciso e recente. Entretanto, em casos de notícias pós-eventos ou resgate de assuntos abordados anteriormente, o tempo verbal deve ser coerente ao contexto, podendo se referir ao passado.

Imagens

Na notícia analisada, a imagem escolhida para ilustrar a matéria está dentro do padrão aceito pelo DINO. Observe que se trata de uma imagem genérica, e que remete diretamente ao tema abordado na pauta.

É assim que deve ser. São aceitas imagens que condizem com a pauta em questão, não apresentem logo de empresa, produtos com o nome ou logo das marcas, ou retratos de pessoas fora do contexto da notícia; Fotos também são bem-vindas, desde que sigam o mesmo caminho dos dados de pesquisa. Devem ter conexão com o tema abordado e créditos remetidos ao fotógrafo.

Encontrou sua resposta?